16/04/2018 - VEJA

Caixa reduz juros do crédito imobiliário

 

A Caixa Econômica Federal anunciou, nesta segunda-feira, a redução dos juros do crédito imobiliário utilizando recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). As taxas mínimas passaram de 10,25% para 9% ao ano, no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 11,25% para 10%, para propriedades enquadradas no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

Com isso, a Caixa volta a ter taxas de mercado competitivas. Até agora o banco estatal era o único entre os cinco maiores do país com juros acima de 10%. Itaú opera com porcentual a partir de 9%; Banco do Brasil, 9,24%; Santander, com 9,49%; e Bradesco, a partir de 9,45%, conforme dados disponíveis nos sites das instituições financeiras.

De acordo com o presidente do banco estatal, Nelson Antônio de Souza, a redução facilita o acesso à casa própria e ajuda a estimular o mercado imobiliário. “O objetivo é oferecer as melhores condições para os nossos clientes, além de colaborar para o aquecimento do mercado imobiliário e suas cadeias produtivas”, destaca.

Para o presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CII/CBIC), Celso Petrucci, a decisão contribui para que novas quedas ocorram ao longo do ano. “A Caixa é a indutora deste mercado, e essa mudança mostra que as taxas baixaram para ficar. Estamos retomando o nível que tínhamos entre 2010 e 2011, quando houve o boom imobiliário, e é possível que tenhamos uma nova rodada de diminuição dos juros”, diz, ao comentar que para isso é necessária a convergência de fatores, como queda da Selic e a alta no emprego.

Cálculos feitos pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP) mostram que um imóvel de 250.000 reais com 80% de financiamento em vinte anos, a economia com juros chega a 25.000 reais no período. “É um impacto significativo no bolso do cliente, que poderá comprar um imóvel melhor ou diminuir o comprometimento da renda”, diz Flavio Amaury, presidente do Secovi-SP.

Representantes do setor consideram que a mudança vai fortalecer a reativação da economia com mais pessoas que poderão adquirir a casa própria. “A Caixa tem papel importante no financiamento imobiliário, e a redução dos juros é fundamental para estimular o setor, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, onde a oferta de crédito pelos bancos privados é menor do que no Sul e Sudeste”, afirma Ronaldo Cury, vice-presidente de Habitação do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinducon-SP).

 

Novas condições

 

Além da redução de juros, o limite de cota de parcelamento do imóvel usado sobe de 50% para 70%. A instituição também retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (unidades com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%. As mudanças começam a valer a partir desta segunda-feira.

A Caixa possui 82,1 bilhões de reais para o crédito habitacional para 2018. O banco mantém a liderança no setor com cerca de 70% das operações para aquisição da casa própria.

Estão enquadrados no SFH os imóveis residenciais de até 800.000 reais, para todo o país, exceto Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de 950.000 reais. Os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no SFI.

Belpasso

Av. Nossa Senhora de Lourdes, 63
Jardim das Américas
CEP 81530-020 . Curitiba-PR

Fone/Fax: +55 41 3366-7376
BELPASSO - Todos os direitos reservados